Bem Vindo...

Pesquisando na internet vi que ainda é muito restrito o acervo sobre Terapia Assistida por Animais, pretendo através deste, encontrar outras pessoas interessadas no assunto, para conversar e trocar experiência sobre esta técnica tão apaixonante!

28 de mai de 2013

Intervenções 1° semestre 2013

Neste primeiro semestre de 2013, o projeto vem realizando intervenções em algumas instituições de Mogi das Cruzes. Citarei aqui, aquelas com parceria entre a Universidade Braz Cubas - alunos do curso de Psicologia cursando a disciplina Psicoterapia aliada à TAA.
 
Aos sábados as intervenções ocorreram no Instituto Pró+Vida São Sebastião, que atende idosos, e oferece moradia e enfermaria com cuidados mais específicos.
Nesta, participaram cerca de 21 alunos, e foram realizadas 4 intervenções. Os objetivos propostos foram: verificar se o animal atua como motivador nas atividades e facilita a expressão da comunicação e de sentimentos.
 
A cada intervenção, posso dizer que fiquei mais encantada com as respostas alcançadas. Acredito que tenha sido muito rico para os alunos que puderam fazer o link e ter essa vivência única. Participaram conosco, as três pets terapeutas: Drika, Duda e Amber (carinhosamente apelidada de Bibi pelos assistidos). No último encontro, fomos carinhosamente homenageados por um dos idosos, que disse: "A presença de vocês aqui, trouxe à nós um motivo a mais para viver!".
 
As intervenções em contexto escolar, estão sendo realizadas no Colégio Adventista de Mogi das Cruzes, às segundas no período da manhã. As classes selecionadas foram o 1° ano e a pré alfabetização. E os objetivos observar se o pet atua como facilitador do processo de ludoterapia.
Nesta intervenção a pet selecionada foi a Drika, que se tornou uma figura querida e famosa entre os alunos. A identificação é imediata: "Ela é vaidosa como eu..." ou "Também adoro comer maçãs!". Chegar na classe e ser recebida com entusiasmo, carinhos, beijinhos e cartinhas com demonstrações de afeto, reforçam o quanto a intervenção com TAA na escola é favorável, e o quanto o pet favorece a expressão e o vínculo entre profissional-paciente..
 
Outra intervenção que está sendo realizada é na instituição para adultos portadores de necessidade especial ASETE, nas segundas à tarde. Os objetivos propostos são melhorar autoestima e motivação, reforçar atividades funcionais (cognitivas, motoras e AVD's), facilitar a expressão e percepção do outro, dentre outras. Receber um convite para participar da festa junina e querer dançar com a Drika, pedidos de um paciente com autismo ou uma paciente surda-muda entender os comandos para ensinar truques à Drika, demonstram com clareza que a proposta está sendo fiel aos objetivos.
Os alunos são incentivados a realizarem pesquisas e documentarem as intervenção, para publicarem em congressos e encontros científicos. Mesmo a TAA, completando 6 décadas no Brasil, são poucos os artigos e publicações científicas, principalmente na área da Saúde Mental.
Assim que os resultados foram pontuados, venho apresenta-los...
Abços.

30 de mar de 2013

Visitas natalinas!

O projeto Patas no Divã iniciou as visitas de natal, Drika e Duda as noelas mais queridas, amaram vestir os gorros e levar alegria à todos.

Vou relatar a visita especial que fizemos nesta última segunda feira (17/12) no asilo São Vicente de Paula em Mogi das Cruzes. Os vovozinhos desta instituição já receberam intervenção de TAA há algum tempo atrás, e sentiam saudade das DD's, achei que seria um bom agrado levá-las!
As noelas estavam entusiasmadas para chegar, e assim que adentraram na casa, foram com imensa felicidade cumprimentando um a um os idosos que desciam para recebê-las.
Eles lembravam com exatidão os nomes delas e quantos meses faziam que não as viam.
Fiquei muito triste, pois, soube que alguns partiram, mas feliz por ver outros que estão muito bem, e com os quais os benefícios dos nossos atendimentos prosseguem. 
Escutei a frase mais querida neste dia e permaneci com ela em minha cabeça durante todo dia: "Obrigada pela visita com elas, foi o melhor presente de Natal!"
São gestos assim, que fazem com que eu AME, ACREDITE e LUTE pelo reconhecimento e uso do recurso de TAA.
A TV foi registrar os belos momentos dos vovozinhos com as DD's, em breve posto o vídeo!
Abços.                                                                                                                                              

11 de dez de 2012

TAA auxiliando na Odontologia

Recebi esta imagem através de uma rede social, e achei interessante dividi-la aqui no blog!

Sim, é um Golden no consultório odontológico! A técnica de TAA pode sim ser utilizada como um recurso extremamente eficaz também pelos dentistas. Aliás, uma grande e reconhecida universidade de nosso País, a UNESP, realiza este atendimento através dos alunos estagiários dos cursos de Odontologia e Medicina Veterinária.
 
A imagem que ilustra é do atendimento em odontopediatria do Dr Paul Weiss, e a Golden de terapia se chama Brooke, ela se porta calmamente ao lado do paciente, enquanto o dentista realiza os procedimentos. Brooke ajuda a acalmar e fazer com que o tratamento dentário seja menos amedrontador para as crianças.
 
E é comprovadamente demonstrado em pesquisas que o pet terapeuta, além de tornar o consultório mais acolhedor, acalma, relaxa, proporciona segurança e além de distrair o foco do paciente na dor ou desconforto que possa estar sentindo. Sendo excelente recurso em casos de fobia ao tratamento dentário, pessoas ansiosas, hiperativos e agitados. Além de ser um bom modelo de identificação, onde a criança ou o adolescente, vão manter a calma e podem até aprender e desenvolver a atividade de escovação ou higiene bucal.

Vou postar ao lado o link do site do Dr Weiss.
 
Espero que tenham gostado, e vamos torcer para que cada vez mais, profissionais da área da saúde façam uso deste excelente recurso que é a TAA.
 
Abraços.
 


 

3 de out de 2012

Acessórios fashions by Tia Xanda

Todos me perguntam onde encontro esses acessórios bacanas, diferentes e caprichados, que as minhas meninas: Drika e Duda usam...aqui vai a foto das novas bandanas, feitos com carinho e exclusividade pela Tia Xanda!!


Acesse o site da lojinha virtual e conheça todas as novidades...
www.coisasdatiaxanda.net

Abços 

ps: tb participa da fotinho o fofíssimo "Uncle" James, da raça welsh corgi pembroke, que faz parte da família e é inseparável das DD's!

Amor aos animais


Estava pensando sobre como o amor e respeito aos animais é algo desenvolvido em nós desde quando somos pequenos... Foi quando, recebi um texto de um amigo, achei tão lindo e profundo...respondeu e veio de encontro com meus pensamentos do dia! David Sergio Hornblas adorei as palavras...


SOBRE HOMENS E ANIMAIS 
Texto de David Sergio Hornblas.


É insofismável a relação entre homens e animais ao longo da historia. Desde os tempos mais antigos, cavalos, camelos, dromedários e cães contribuíram de forma eficaz – embora penosa – para que o homem construísse edificações, ampliasse fronteiras, cuidasse de rebanhos, obtivesse alimentos sem a necessidade do sacrifício deles.

Essas relações caracterizavam-se pelo compromisso no trabalho, muito embora, relações afetivas davam um tempero especial a esta coexistência. Mas nem sempre harmoniosamente: Muitos animais eram maltratados, mal alimentados e não raramente, morriam de exaustão durante o trabalho. Mas sua contribuição foi inegável.

O tempo passou e muitas atividades se mecanizaram, como lavoura e moendas, libertando alguns animais da extrema penosidade do trabalho que executavam. Também o transporte evoluiu e a caça já não mais integra o cardápio moderno com a mesma importância de outrora. 

Contudo, outros animais assumiram compromissos no trabalho para auxílio ao homem. Não através da força física, mas, sobretudo com sua capacidade de aprendizagem, interação e inteligência que a ciência descobriu como eficientes contribuições a serem oferecidas a pessoas com algum tipo de limitação: cães-guia, golfinhos treinados para interação com crianças psicóticas e autistas, símios e macacos que executam atividades ligadas a situações de emergência, cães que farejam pessoas desaparecidas e drogas, dentre tantas outras. Muito embora esses animais cumpram suas “funções laborais” com grande eficiência, um elemento especial se agrega nessa relação: o afeto que se constrói paulatinamente. Ele transcende a questão do trabalho. Não há movimentos de repulsa, a não ser por maus tratos. E os sentimentos de ambos não são dissimulados. Também há sim, momentos de conflito, cuja intensidade é menor se comparada àquelas que ocorrem entre as pessoas. Uma bronca, um falar mais áspero e até um tapa, que não desenvolvem sentimentos de rancor ou ressentimento duradouros. 

A relação com o animal é mais simplificada, pois ele é via de regra fruto de uma opção: Ter um animal é uma escolha. O mesmo nem sempre ocorre com uma criança, exceto as adotadas. Mas com animais de estimação é diferente: São escolhidos, comprados ou até recolhidos nas ruas. Por motivos diferentes, interesses distintos, maior complexidade e outros níveis de responsabilidade, uma opção foi feita. E deve ser como todas as relações que construímos ao longo da vida, plenamente respeitada. 

A relação entre o homem e o animal é transparente, desinteressada (sob o significado dado pelo ser humano) e muitas vezes até subserviente. Todos já tivemos a oportunidade de observar carroceiros miseráveis pelas ruas, acompanhados pelos seus fiéis escudeiros. Compartilham tudo: a comida, o frio, a falta de moradia e a solidão. Permanecem juntos até a morte de algum deles. Pouco importa se cheiram bem ou mal, se comem decentemente ou não. O mais importante é a relação de profundo amor que caracteriza esta coexistência. 

As relações afetivas não se estabelecem por acaso. O encontro das pessoas ocorre pelos motivos mais variados influências sociais, que se modificam em função do espírito de cada época. Além disso, desde a mais tenra idade, recebemos alguns parâmetros durante a etapa de formação de conceitos, que nos leva a criar padrões do que é certo e errado, do bem e do mal, do justo e do injusto, etc. Famílias que, por exemplo, tem como hábito a convivência com animais, transferem para seus descendentes este valor. Isso não significa obrigatoriamente que, esta criança venha a reproduzir a mesma situação quando adulta. Mas há uma boa chance para isso. Também é fato que, pais ao limitarem a convivência de seus filhos com animais, introduzem um elemento referencial importante, que pode servir de base para o futuro neste tema. Mas e aqueles que não experimentaram nem uma coisa nem outra? Como poderíamos entender tais comportamentos? 

Um dado importante pode estar no construto das relações com outras pessoas. É próprio da natureza humana, lidar com trocas e afetos intensos, e às vezes, até desmedidos. Submetem-se ou agem em cobranças contínuas. Concessões nem sempre possíveis. E não raro pessoas podem não estar aptas para tamanha intensidade de relações. Recolhem-se a si mesmas. Outras, porém, conseguem estabelecer uma medida exata nesses relacionamentos. Por essa razão, têm filhos, namorado, maridos, esposas, etc. e animais. Conseguem repartir o afeto de forma equilibrada. Outros não dispõem de tal facilidade. Concentram e dirigem seu afeto em uma única direção o que muitas vezes não é entendido socialmente. E frequentemente criticado. 

Mas tenho uma pista para esse movimento humano: animais domésticos cobram pouco. Na maioria das vezes estão disponíveis. Dão pouco trabalho. Reclamam menos ainda. Não falam. Além disso, seu ciclo de vida é menor. Com isso as pessoas sofrem e se recompõem mais rapidamente diante da perda, aprontando-se inclusive para uma nova relação. Talvez seja este um dos motivos para não haver legislação mais severa para agressores de animais, a não ser multas pecuniárias irrisórias.
Contudo, parece-me uma opção inquestionável. Cuidar de um animal é antes de tudo, cuidar de um ser. De certo que se exige algum trabalho, dedicação e acima de tudo, uma boa dose de afeto. 

O meu amor pelos animais é oceânico.

Abços 

ps: a foto postada no início, é de meu arquivo pessoal! Sou eu, pequenina aos 4 anos, junto com minha mãe e nossos coelhinhos!


24 de abr de 2012

Novo site!

Nosso site deve estar em breve no ar!

Acesse para saber mais informações sobre o Projeto Patas no Divã...

www.patasnodiva.com


Abços 



Aula prática - intervenção com idosos institucionalizados



Como dizem, uma imagem vale mais que mil palavras...anexei ao post algumas imagens, da intervenção realizada com os alunos do curso de Psicologia da UBC, tivemos a participação de alunos de outras universidades também que se interessaram pela disciplina. 

Toda intervenção realizada na instituição foi previamente estudada, planejada e elaborada. O local escolhido foi um asilo em Mogi das Cruzes, o São Vicente de Paulo, e participaram deste atendimento ou aula prática cerca de 35 alunos, que foram divididos em grupos.

Os objetivos traçados para o atendimento com TAA foram:

- Observar se o animal atua como facilitador e motivador no processo interventivo psicoterapêutico.
-Aumentar questões referentes à autoestima e confiança nos assistidos.
-Propor uma reintegração social.
- Obter melhoras significativas em questões de fobias, ansiedade e depressão.
- Facilitar a expressão emocional e a comunicação entre os profissionais e os assistidos e entre os assistidos.
-Promover a capacidade funcional nas áreas cognitivas, motoras e de atividades de vida diária.
- Desviar o assistido do foco da dor (física e/ou emocional) e da doença, propiciando a retomada de boas lembranças e memórias passadas.


Cada visita é única, apresenta melhoras significativas e obtém-se os objetivos propostos. 

Esta experiência está sendo ótima para nós (eu, Drika e Duda), para os idosos e equipe da instituição e acredito que para os alunos também, tem sido de grande valia.

Abaixo uma fotinho da fofa pet terapeuta Dri, que não esconde a carinha feliz por estar atuando, é como se dissesse: "trabalhar doando e recebendo amor, existe coisa melhor?"

         
         
Abços 


Patas no Divã

Loading...

Pesquisar este blog

Carregando...